terça-feira, 25 de novembro de 2014

Desabafos 2# Ser negro...

O que é ser negro?
Ser negro é ver os meus direitos negados pela cor da minha pele? É ver os meus irmãos morrerem nas mãos deste sistema imundo? É ver as nossas oportunidades negadas? É enquadrar nos padrões europeus e ver a minha identidade esquecida? É esquecer as minhas origens e a minha história?  
Ser negro é ter um tom de pele diferente apenas. Somos todos iguais, somos todos humanos! Infelizmente fazem questão de ressaltar SEMPRE esta pequena diferença.
A diferença sempre foi mal vista, desde os tempos mais remotos da História mas o que é que ser negro tem de mal? A cor da minha pele é assim tão relevante? 
Ser negro nunca foi e nem será fácil. Tentamos em vão acreditar que as coisas mudaram e que a escravatura acabou... A escravatura pode ter acabado mas o sistema ainda é o mesmo, com nomes mais elegantes, mais subtis e com outras caras onde muitos dos nosso irmãos estão presentes... Esses pobres coitados que vivem iludidos que o "nosso" mundo é igualitário!
Quantos nomes serão preciso estar escritos nas estrelas para ser provar que é a morte é errada? Quantos oceanos de lágrimas serão precisos para se provar que é a morte é errada? Quantos vendavais carregados de palavras de dor e de sofrimento serão precisos para se provar que a morte é errada?
Mike Brown é um deles! Dói saber que há quem mate sem dó nem piedade por uma questão de raça... Porquê? Não é um ser humano? Não é filho de alguém? Não é irmão de alguém? Não é pai ou mãe de alguém? Não é amigo de alguém?
Prisão para quem comete esses actos é pouco! Ninguém deve tirar a vida de ninguém mas... neste caso só mesmo uma morte para "apagar" outra morte, para se perceba que se eles sofrem nós também sofremos, se eles choram nós também choramos.
Se começarmos uma revolução e por cada irmão morto matarmos também, seremos os "monstros" mas quando são os outros, é "justiça"... Que mundo é este em que vivemos, dito tão evoluído. Evoluído onde?!
BASTA! Já chega, é hora de mudar, é preciso agir, consciencializar as mentes.

No final do dia sou apenas humana... Revoltada por não querer ser julgada pela cor da minha pele.




I.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Be Natural! Be Free! 2#

E não é que faz um ano que sou natural? Não sei o dia ao certo mas sei que foi na última semana de Novembro de 2013.
Confesso, não pensei que conseguisse. Tive momentos altos e tive momentos baixos em que não sabia o que fazer com o cabelo, lidar com as diferentes texturas é complicado mas nunca pensei em desistir! E cá estou eu, adorando a cada dia o meu cabelo, a minha juba como carinhosamente defino.
O BC não aconteceu porque nunca tive coragem mas durante este processo vou cortando as pontas e pronto para já não está mau de todo. Um dia que sabe, bate-me a loucura e faço.
Clap clap for me, 1 ano =D.

Hairografy:

Maio


Junho

Julho

Agosto

Box Braids Style



Setembro

Outubro


Novembro



I.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Vícios 33#

Bem... Descobri esta música por acaso e A-D-O-R-O! A menina tem uma voz do caraças e o cd não é mau de todo.




I.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

A Culpa é das Estrelas

Já conhecia John Green de nome mas nunca tinha lido, após a insistência da minha prima decidi ler.
Dado ao burburinho em torno do livro e do filme "A culpa é das Estrelas", achei que não fazia mal tentar.
É um bom livro, com uma escrita viciante em que a história nos ensina uma grande lição de vida... Chorei e fiquei um pouco "abananada" no fim do livro. DAMN, é profundo! Não sei explicar mas cada vez que parava de ler, ficava com uma angústia no peito, enfim...
Como não me senti satisfeita, tinha que ver o filme. Não é nada do outro mundo mas a meia hora final, acabou comigo! Não consegui segurar e parecia uma torneira, chorei, chorei e chorei com o nózinho na garganta.
Ficção ou não, são estas pequenas histórias que nos fazem dar valor as pequenas coisas da vida, o que temos e a quem nos rodeia.
Mais do que recomendado!




P.s. Anteriormente li a trilogia das "As Cinquenta Sombras de Grey" tanto alarido por um livro tão chinfrim.


I.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Coisas que enchem o meu coração 2#

Os sonhos e a alegria da velha infância, como um conjunto de fotografias consegue reportar a isso tudo? Não sei explicar, apenas senti e reagi aos meus sentidos.
Essas memórias estavam fechadas numa pequena caixinha de veludo, um tanto esquecidas que pareciam
nem existir até ver a primeira fotografia e toda aquela nostalgia surgiu.
Ao olhar para estas fotografias lembro-me dos passeios pelo Rossio, pelo Martim Moniz e outros locais de Lisboa com o meu avô e a restante família. Correr atrás dos pombos (sim! eu gostava de pombos), saltitar pela rua, ver o eléctrico a passar, o cheiro da castanha assanha, os artistas de rua, aquela sensação despreocupada, aquela felicidade instantânea...
A Baixa Lisboeta continua igual... os anos passaram mas nada mudou, apenas eu! Enche-me o coração por saber que fui feliz e nem sabia.
Podem encontrar as fotos todas aqui, em Afro Savage.


Créditos: Johnny Jonnes 



I.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Coisas que enchem o meu coração 1#

Ando com pouca vontade de escrever, tenho um trabalho para entregar e só vai a meio!
Nas minhas andanças pelo facebook em busca de inspiração, li este artigo e encheu-me o coração.
Por muito mau tenho que sido o nosso percurso, podemos sempre encontrar uma boa saída e este senhor é o exemplo disso... Vender livros para sobreviver, não podia ficar mais tocada! 
Sendo uma amante da literatura, é-me difícil separar de livros. Não sei se conseguiria vender os meus livros, são todos especiais ou porque foram oferecidos ou porque os comprei numa determinada fase da minha vida e/ou representam alguma coisa, enfim! Logo não posso deixar de admirar a coragem e persistência deste senhor. Um bem-haja!



I.

terça-feira, 22 de julho de 2014

!




Estas ilustrações andam a circular pelo facebook, eu não podia concordar mais que decidi partilhar!
A ilustradora brasileira Carol Rossetti, arranjou uma forma original de combater o machismo, com ilustrações que representam as mulheres do quotidiano e as suas lutas diárias. Podem acompanhar o seu trabalho aqui.















I.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Vícios 31#

Este post já devia ter sido escrito há muito tempo mas.. preguiça é uma coisa que me assiste e muito!
Fui ao RIR ver o JT e well... Não foi assim nada de extraordinário mas gostei, o jovem canta e dança bem mas fiquei com a sensação que faltava qualquer coisa, entretanto estou mais que viciada nisto só A-D-O-R-O.



I,

terça-feira, 27 de maio de 2014

Vícios 30#

Não é novidade que sou fã do Mr. Mayer! As covers dele são qualquer coisa e confesso que não gosto da versão original - a da Beyoncé- mas quando ouvi esta fiquei rendida.




I.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Be Natural! Be Free!

Sempre tive uma relação amor-ódio com o meu cabelo! Trauma, medo, felicidade, amor e outros tantos sentimentos... E sem falar do amor que a minha família tem para com o meu cabelo! Nunca percebi mas idolatram tanto que o queriam imaculado, sempre bonitinho tipo troféu. 
Quando era pequena bastava ver o pente e a escova que começava logo a chorar e ser cuidadosa e carinhosa a pentear era coisa que não assistia a minha mãe.
Aos 14 anos tive a liberdade de fazer o quisesse com o cabelo e qual foi a primeira opção? Desfrisar o cabelo pois era mais fácil, mais bonito, mais aceitável e claro mais europeu. Na altura não pensava assim, era jovem e inocente mas esses ideais já estavam tão enraizados que não se dá conta.
Desfrisei  o cabelo durante quase 10 anos - 10 anos, OMG i'm too old - e a sequência sempre foi a mesma de três em três meses lá ia eu toda feliz e contente ao salão ou então quando tinha preguiça - sim, eu odeio o secador, parece que estão a fritar o meu cérebro - fazia em casa.
Não tratava nada do meu cabelo! Mas mesmo nada, punha creme e usava  máscara de vez em quando e já ia com muita sorte, o que sempre tive imenso cuidado foi usar shampoo e condicionador para o meu tipo de cabelo. O lema era está partido? Corta! Está morto? Corta e assim sucessivamente, como ele cresce rápido não foi problema.
Fui crescendo e quando comecei a cortar uma, duas mãos de cabelo - duas mãos foi só uma vez, chorei baba e ranho quando vi o cabelo no chão - estragado vi que alguma coisa tinha que mudar!
Em Setembro de 2011, queria algo radical e fiz o bob assimétrico aka corte da Rihanna. Não me recordo de ter o cabelo tão curto mas foi o início da minha jornada para me tornar saudável.
Aos poucos fui tomando alguns cuidados, comecei a falar com a minha cabeleira e ver os produtos mais adequados ao meu cabelo e fui step by step tratando como deve ser o cabelo.
Sempre pensei que tratar bem do cabelo desse trabalho mas não, quando entramos no ritmo é super fácil. É tudo uma questão de prática e fui vendo que o meu cabelo não é assim tão complicado...
Quando pensei em voltar a ser natural? Sinceramente não sei, o bichinho foi crescendo mas faltou coragem... Pensei que não tivesse o apoio em casa, não sei como me veria e não saberia muito bem como lidar com o processo, confesso que nem sabia o que fazer! Porém, conheci as pessoas certas para que me incentivaram nesta jornada, partilharam os seus conhecimentos e mostraram-me que caminho a seguir e não é que a família reagiu bem a decisão, não estava nada a espera. Com um apoio destes, nada poderia parar e cá estou =D.
Outra questão é, farei o BC (Big cut)? Ainda não estou preparada para isso, sempre me vi com a minha juba mesmo amaldiçoando a menina every single day e de um dia para  o outro não a ter? Seria um choque, eu sei que cabelo é só cabelo mas falar é fácil porém é a tua identidade! Como sou uma pessoa imprevisível, um posso acordar e cortar o cabelo por enquanto vão só as pontas.
O problema que leva a muitas de nós a desfrisar o cabelo é tentar entrar nos padrões de belezas europeus mas nós somos africanas, somos curvilíneas, temos cabelo crespo aka carapinha and so what? Deal with that! Seria tudo muito fácil se a sociedade aceitasse, o que não acontece logo em vez de combatermos essa tendência conformamo-nos. É triste no entanto é a verdade.
Sei que quando tiver a exercer a minha profissão, o meu cabelo não será bem aceite. O que farei? Apenas direi que a minha inteligência não está no meu cabelo.
Não é por querer ser natural que criticarei quem desfrisa o cabelo, seria um pouco hipócrita da minha parte porque já o fiz! Cada um com os seus problemas e as suas decisões, se deixarei de esticar o cabelo quando for natural? Nem pensar. Usarei como me apetecer e pronto, in the natural way.
Uma coisa é certa se soubesse o que sei hoje e a informação disponível que tenho, não teria desfrisado o meu cabelo à dez anos atrás garantidamente!
Tentarei tirar uma foto todos os meses para registar o processo, não prometo milagres mas vou tentar, visto que, não sou fã de tirar fotografias!

Hairografy:

1994

1995

Janeiro 2010

Junho 2010

Maio 2011

Bob assimétrico aka Rihanna cut, Novembro de 2011

Abril 2012

Maio 2012

Setembro 2012

Último desfriso, Outubro de 2013

Outubro 2013

Dezembro 2013

Fevereiro 2014

 
Fevereiro 2014

Fevereiro 2014

Março 2014

Abril  2014



I.

sábado, 26 de abril de 2014

Vícios 29#

Andava a procura de músicas boas para fazer exercício e esta aparecia numa lista. Fiquei logo viciada, assim que oiço esta música perco logo a preguiça e só tenho vontade de saltar. 





I.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Amar é tudo


Tudo aquilo que se escreve que é. Não é fogo. Não são borboletas. Não são lágrimas. Não são risos. Não são fodas. Não são poemas. Não são cartas. Não são músicas melosas. Não são músicas arrebatadoras. 
Mas não deixa de ser isso tudo. 
Amor é ação. Constante. Contínua. Amor é prática. É realidade diária do que se faz a quem se faz com o prazer e gosto de se fazer. É o beijo de manhã. O abraço à tarde. O sexo à noite. Tudo feito sem se dizer que se faz. Fazendo-se apenas porque se quer. Porque tem de ser. Bem cá de dentro nos obrigamos ao que fazemos quase sem controlo.
Amor não é dizer 1500 vezes amo-te. Amor é mostrar 1500 vezes que se ama. Palavras leva-as o vento. Leva-as a memória quando aquilo tudo que nos lembramos nos faltar. Mas a mão na mão. Na palma de pele gretada pelos anos está lá. Para se sentir em movimento, em presença, no presente. Fazendo. Sentindo. Amando.  "

Li este texto aquiRevi-me nestas palavras, amor é muito mais que palavras, são actos permanentes por mais pequenos que sejam, valem sempre a pena.


I.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Happy B-Day "Coisas de uma desocupada..." 3

PARABÉNS ao meu cantinho, ao meu conforto! São três anos, não passados diariamente mas regularmente (cuf cuf, i try!).
Já disse aqui várias vezes adoro escrever, adoro deixar aqui os meus pensamentos. Este é o meu ponto de evasão, onde a minha imaginação se liberta e floresce... Continuaremos cá por durante muito tempo, pelo menos eu assim o espero.





I.




quarta-feira, 5 de março de 2014

Tintin

Eu sou fã do Tintin desde miúda, livros dele não li muitos, um ou dois no máximo... Vi-a religiosamente os desenhos animados, na RTP2 em francês legendado em português.
Quando disseram que iam fazer o filme fiquei muito reticente porque não queria que as minhas memórias de infância fossem destruídas.
O meu primo mais novo tem o DVD, decidi arriscar e não é que é bom? Quis ser criança outra vez, estava tal e qual como me recordava! Foi tão bom mas tão bom que quero outro filme já.
Recomendo seriamente. 
Em Lisboa, na Av. De Roma há loja do Tintin, muito gira mesmo... Ando a namorar o peluche do Milu, é TÃO fofo.




I.

sábado, 1 de março de 2014

Vícios 26#

Faz 10 anos que o Kanye West lançou "The College Dropout".
Sh*t i'm old! O melhor álbum dele e  nesta brincadeira, ando a ouvir Kanye como se o rapaz tivesse morrido. Aqui ficam as minhas preferidas.








I.

sábado, 22 de fevereiro de 2014