domingo, 17 de novembro de 2013

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Palavras que o vento levou...

Um dos motivos pelo quais criei este blog, foi o meu amor pela escrita! Desde cedo sei o que é um livro e associado a leitura veio o gosto pelas palavras e mais tarde pela escrita. 
Tive sempre um pé atrás em relação a este amor, vi-o como um segredo - poucas são as pessoas que sabem que gosto de escrever e poucas as que leram alguma coisa que tenha escrito, no máximo dos máximos três sem contar com o blog, é claro - algo proibido mas analisando bem sempre escrevi. Até aos quinze anos tive diários, coisas escritas em folhas soltas, cadernos, pequenas frases, uma ou duas palavras, escrevi alguns poemas, prosas, pequenas histórias mais tarde com as novas tecnologias pequenos textos no telemóvel.  Conservei algumas coisas, infelizmente outras perderam-se para sempre...
Não me vejo como escritora (nem como blogger), não sei se é por já ter lido tantos génios que usar este nome é uma ofensa para com a Jane Austen, Carlos Ruiz Zafón, Florbela Espanca e todos os outros que já li e os que ainda estão por ler! Comparado com estes sou apenas uma migalha no mundo das palavras. 
Só escrevo quando estou triste, quando estou mesmo em baixo, é o meu meio de fuga da dor. 
Hoje depois de ler antes de ir dormir , deu-me assim a pancada e escrevi isto:

Olho para o relógio e penso não será tarde? Ou melhor, não será cedo demais? A dúvida, essa maldita que segue-me constantemente... Não a consigo despistar, porquê? Ao som de "moon dreams" tento em vão adormecer! Esta leve melodia acompanha os meus simples pensamentos, aqueles que desassossegam o espírito. Penso em ler mas nem evasão traz-me algum consolo! Só resta lavar a alma com as minhas salgadas lágrimas... Nesta doce amargura penso, repenso e penso mais uma vez que utopia é o adjectivo que melhor me define... Talvez sonhe demasiado, esta infinidade de acreditar que as coisas vão mudar... Eu tento acreditar e tu?

Talvez não faça sentido nenhum para quem vá ler mas para mim é tudo e nada! É meu, é o meu devaneio das duas e tal da manhã...


I.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

"I miss you"

To see you when I wake up, is a gift I didn't think could be real 
To know that you feel the same, as I do, is a Three-fold utopian dream 
You do something to me 
That I can't explain 
So would I be out of line, If I said 
I miss you. 
I see your picture, I smell your skin on, the empty pillow next to mine 
You have only been gone ten days, but already I am wasting away 
I know I'll see you again 
Whether far or soon 
But I need you to know, that I care 
And I miss you.



FUCK, FUCK, FUCK! This is soooooooo perfect...


I.